Das pistas de dança para o Noizze

Das pistas de dança para o Noizze. Aqui fica a nossa conversa com Voxels.
A dupla Pedro Pinto e Pedro Chamorra.

Como começou o vosso projecto?

Nós conhecemo-nos já há anos. Somos ambos DJ’s há algum tempo e começamos a sair juntos, a pôr música juntos, pela diversão. E foi uma coisa que se desenvolveu naturalmente.

E tem corrido bem? O público tem gostado?

Sim. Nós de momento só nos apresentamos no formato Dj Set e a reacção tem sido boa. Este Verão tocamos em sítios tão diferentes como Vila nova de Cerveira aos Açores, vários sítios e para nós que somos um projecto bastante recente e não temos aquela exposição de palcos grandes, é mais clubes e bares e discotecas, é sempre bom chegar ao fim de uma actuação e estar a beber um copo depois num bar e virem pessoas dizer que nos conhecem e que gostam.

Qual acham que é estado da música electrónica em Portugal?

Toda a cena de música, não só electrónica, mas de música mais recente, está a crescer, e essas coisas estão a vir com o tempo. Cada vez vês mais projectos portugueses a tocar lá fora, em vários países e culturas e projectos de vária natureza. Ultimamente tem havido um crescimento muito grande. E esse tipo de reconhecimento só vem com o crescimento.
Em termos de reconhecimento é difícil, uma coisa é reconhecimento do valor, as pessoas falarem e escreverem. Outra coisa é a oportunidade de tocar lá fora. Nós já tivemos bons reviews do álbum desde Los Angeles à Austrália, Paris. E é bom ter esse reconhecimento. Obviamente que nós gostávamos de ter a outra parte do reconhecimento que era tocar nesses sítios.

O que prova que a música é cada vez mais internacional…

Não nos queremos associar a nenhum estilo específico de um sítio, nós podemos estar a fazer isto de Paris ou de Nova Iorque. Provavelmente ia ser a mesma coisa. Não sei. Somos nós. Não interessa onde é que é feito. Essas barreiras são cada vez mais inexistentes. Por acaso um desses reviews de um blog francês falava em nós como a nova face do filter house francês,  e para nós é um grande elogio.

É uma ambição tocar mais lá fora?

Óbvio que sim. É uma questão de crescimento. É claro que já gostaríamos de ter chegado a esse ponto mas somos um projecto relativamente recente. Mas estamos a trabalhar para isso. Eventualmente havemos de chegar lá.

E o que é que mais vos influencia musicalmente?

Nós apesar de fazermos música electrónica  somos influenciados por várias coisas, não só de música electrónica.  Somos influenciados por tudo e obviamente irá ser filtrado. Isto faz parte das nossas vidas. As influências são quase diárias. Relativamente a ondas e estilos, há ondas que vão e vêm e estamos atentos a como as pessoas tocam e ouvem. Por exemplo fizemos este último álbum, muito marcado pela onda filter house anos 90 um bocado à margem do que está a acontecer à volta. Não fazíamos ideia que os Daft Punk também iam editar um álbum, foi um bocado contra corrente. Não fazíamos ideia que ser corrente outra vez.
Até porque estas músicas, o álbum saiu em Março, e a maior parte delas já estavam feitas há um ano, ano e meio ou há mais tempo. Não fomos propriamente influenciados por nenhuma onda ou modas.

Planos  para o futuro

Mais edições. Brevemente um segundo single deste álbum. E um novo formato de tocar ao vivo. Vamos começar a trabalhar no final do ano para termos um novo espectáculo.

Previous post
David Santos em modo Noiserv
Next post
Reportagem Foals no Coliseu dos Recreios
Back
SHARE

Das pistas de dança para o Noizze